12 julho 2008

Ajudar crianças com autismo

Imagem de 2003 Nancy J. PriceQuinn,
um menino de 18 meses com autismo,
fazendo pilhas de latas obsessivamente

Comportamento repetitivo - as crianças autistas freqüentemente repetem os mesmos comportamentos (chamados de comportamentos estereotipados, ou estereótipo), como balançar os braços, bater a cabeça na parede, repetir as mesmas palavras ou organizar obsessivamente brinquedos, livros ou outros objetos. A repetição é um tema da vida toda da criança autista. Qualquer mudança em sua rotina diária, mesmo algo simples como cortar um sanduíche reto em vez de diagonal, pode causar uma reação importante.
Os sintomas do autismo podem variar drasticamente de criança para criança. Enquanto uma criança pode ser incapaz de se comunicar, outra pode conseguir recitar peças inteiras de Shakespeare. Uma criança pode não conseguir somar 3+4, outra pode fazer cálculos avançados.

Além do autismo, quatro outras condições estão sob o título de DEAs:

Síndrome de Asperger - as crianças com essa doença têm alguns sintomas de autismo, incluindo pouca habilidade social e falta de empatia, mas elas têm habilidades lingüísticas apropriadas para a idade e um QI alto ou normal.
Síndrome de Rett - essa condição afeta somente 1 em cada 10 mil a 15 mil crianças, a grande maioria meninas. Os portadores da síndrome de Rett fogem do contato social. Eles podem mexer as mãos e serem incapazes de controlar o movimento dos pés.

Transtorno Desintegrativo da Infância (TDI) - essa doença afeta somente duas em cada 100 mil crianças com DEAs, a maioria meninos. As crianças com TDI desenvolvem-se normalmente até uns 3 ou 4 anos, depois, repentina e drasticamente, perdem a coordenação motora, as habilidades lingüísticas e sociais.
Distúrbio generalizado do desenvolvimento - sem outra especificação (DGD -SOE) - essa doença tem os mesmos sintomas que o autismo (atrasos sociais e de comunicação), mas não atende a todos os critérios de diagnóstico.

O autismo é muito mais comum em pessoas com certos distúrbios metabólicos, genéticos ou de cromossomos, como síndrome do X frágil (uma forma herdada de retardamento mental cujo nome se refere a um cromossomo X danificado ou aparentemente frágil), fenilcetonúria (uma doença herdada em que o corpo tem falta da enzima necessária para processar o aminoácido fenilalanina, levando a um retardamento mental) e esclerose tuberosa (um raro distúrbio genético que causa tumores benignos que crescem no corpo e no cérebro). Ataques epilépticos, retardamento mental e perda de visão e/ou audição também são comuns em crianças com autismo.

Um comentário:

Bárbara Lis disse...

Tenho 15 anos não tenho como ajudar a saber mais sobre tal disturbio, mas quero muito saber mais sobre o assunto, quero mim especializar na aréa que melhor trabalhe com disturbios mentais, espero que as pessoa se concientissem parem de ser preconceituosas ou tão desinteressadas. Gostei muito do blog, o fundador estar de parabéns.
Bárbara Lis (babi_lis@hotmail.com)